Se você joga poker com certa frequência, já deve ter se reparado com situações que parecem ganhas, mas por alguma razão as cartas da mesa não colaboram e você acaba perdendo a mão. Quem nunca saiu com um AA, jogou como “manda o manual” nas apostas, mas acabou perdendo porque simplesmente uma outra mão ficou ainda mais forte?

Acredite, isso é mais comum do que parece e não quer dizer que você é um jogador ruim (embora as duas coisas não sejam excludentes, afinal, muitos acabam desperdiçando mãos ótimas agindo de forma totalmente equivocada). Jogadores de todos os níveis passam por momentos assim. Aliás, na terminologia do poker, tem até nome: trata-se de um cooler.

Por definição, um poker cooler é uma mão muito forte que acaba sendo derrotada por outra mais forte ainda, não necessariamente por um erro, mas simplesmente pela forma como as cartas são distribuídas na mesa. Ou seja, pode-se dizer que é o acaso inerente ao poker agindo mais uma vez.

Para quem está do lado de fora, uma situação de cooler é bastante interessante de assistir. Afinal, como ambas as mãos envolvidas são fortes (geralmente acontece no 1 contra 1, mas pode ocorrer também com três ou mais jogadores) e não há blefes, é natural que os potes sejam bem carregados. Para quem perde, muitas vezes o cooler custa um all-in e uma consequente eliminação – e sobra a enorme frustração de ter perdido com uma mão valiosa, é claro.

Vamos a um exemplo prático. Supondo que você receba um par de K nas mãos, e o flop abra com K 9 9. Com um full house desse tamanho, é natural apostar alto e cobrir qualquer outra bet – afinal, fugir em uma situação dessas é loucura. O jogo segue com apenas um concorrente que pagou pra ver – ou, pelo menos, é o que você pensa – e a vitória parece certa. É quando o vilão cobre seu all-in e revela um 9 9 nas mãos – formando uma quadra. Ou seja, você está diante de um cooler.

Como lidar com um cooler?

É um consenso em situações como essa que não há muito o que fazer. Não adianta pensar em mudar estratégia, ou ser mais agressivo na aposta, pois o desfecho nesse caso seria o mesmo em 99 de 100 vezes – a menos que você possua uma bola de cristal ou seja o expert dos experts na leitura dos adversários. Em outras palavras, é “perder mesmo com sorte”. Para quem está do outro lado, é “vencer com o dobro de sorte”.

A diferença entre grandes e pequenos jogadores é o suporte psicológico para lidar em situações como essa. Muitos perdedores em situação de cooler tendem a não lidar bem nas mãos seguintes, tentando recuperar o prejuízo a todo custo e acabam entrando em tilt.

À primeira vista, um cooler pode parecer uma bad beat, mas é preciso estabelecer uma diferença entre ambas. Na bad beat, uma mão extremamente forte acaba perdendo para outra que era absolutamente improvável, com chances de vitória entre 1% e 15% no flop, por exemplo. Em ambos os casos, a forma como as cartas são distribuídas é determinante, mas é preciso diferenciar um do outro. Porém, um fato em comum é a necessidade de um preparo mental forte para lidar tanto com um cooler quanto com uma bad beat e evitar o tilt.

Grandes coolers do poker mundial

Como já foi dito anteriormente, qualquer jogador está sujeito a um cooler, seja em uma partida recreativa com os amigos na garagem, seja na mesa de um grande evento mundial, com altas cifras envolvidas. Foi o que aconteceu no Main Event do World Series of Poker em 2008 com o japonês Motoyuki Mabuchi, contra o norte-americano Justin Phillips.

Mabuchi recebeu a mão dos sonhos, , e ficou ainda mais feliz quando o flop abriu com . O turn veio com e o river, com . Não é todo dia que se encaixa uma quadra de áses em um Main Event do WSOP, e o japonês apostou alto. Porém, Philips se manteve na disputa e os dois trocaram raises até o all-in do norte-americano. Para espanto de todos, ele revelou a mão com – um straight flush. Situação clássica de cooler que o japonês certamente nunca irá esquecer.

Outro caso emblemático aconteceu no Main Event do European Poker Tour em 2013, envolvendo três competidores: os britânicos Matthew Frankland e Emil Patel e o espanhol Andoni Larrabe. Todos receberam pares altos: Frankland com , Patel com e Larrabe com . Situação óbvia de all-in. A mesa veio com , e Frankland riu mais alto no final, garantindo um pote alto. Larrabe, por sua vez acabou eliminado em uma clara situação de cooler.

Compartilhe.

Comentários estão fechados.