Já imaginou um tipo de poker em que um par de reis é nada perto do famigerado 2 e 7? Pois saiba que essa modalidade existe: é o Razz. Também conhecido com Seven Card Stud Low, essa vertente pode ser considerada um “poker ao contrário”, já que as mãos mais fortes são aquelas consideradas mais fracas em variantes como Texas Holdem ou Omaha Holdem.

Apesar de seu estilo um pouco peculiar, o Razz é bastante popular no mundo do esporte da mente. Ele foi introduzido no World Series of Poker em 1971, ou seja, na segunda edição do torneio mais importante do mundo. De lá pra cá, essa vertente só cresceu em popularidade e chegou até a ser televisionada nas transmissões do WSOP.

O Razz também está presente no H.O.R.S.E, variante mista em que os jogadores disputam cinco tipos de poker – Texas Hold’em, Omaha, Razz, Seven Stud High e Eight or Better. Ela foi introduzida no WSOP em 2002.

Diferentemente do Texas Hold’em, cada jogador do Razz recebe sete cartas – três fechadas e quatro abertas. O objetivo é formar a mão mais baixa possível de cinco cartas, mas pra isso é importante conhecer algumas diferenças em relação ao poker tradicional.

O ranking de mãos

Esqueça o ranking de mãos do Texas Hold’em. No Razz, há mudanças cruciais para a dinâmica do jogo. A primeira delas é que não há sequências e flushes. Além disso, o ás é sempre baixo – o que neste caso é uma vantagem, já que as cartas mais baixas são as mais fortes.

Desta forma, a pior mão possível de cinco cartas é a quadra, seguida por full house, trinca, dois pares e um par. O melhor cenário é quando o jogador não faz nenhuma dessas combinações. Por isso, a mão A 2 3 4 5 é a mais forte possível (também conhecida como “wheel” ou “bicycle”) no Razz – lembre-se, neste caso, ela não é considerada uma sequência.

Streets e dinâmica de apostas

A dinâmica de apostas também é diferente do habitual. Não há cartas comunitárias nem os tradicionais flop, turn e river. No Razz, as rodadas são chamadas de streets. Além disso, essa vertente geralmente é jogada com limites de apostas.

Antes de mais nada, todos os jogadores precisam pagar um ante, que é uma parcela do limite da mesa e varia de jogo para jogo. Isso é feito antes de todos os jogadores receberem suas cartas.

Na sequência vem o Third Street, quando cada jogador recebe três cartas (similar ao Crazy Pineapple), sendo uma aberta e duas fechadas. O primeiro jogador a apostar é aquele que tiver a carta mais alta – ou seja, a mais fraca, na prática. Vale lembrar que caso dois jogadores empatem, essa é uma das situações em que o naipe serve como critério de desempate no poker, sendo espadas o maior, seguido por copas, ouros e paus, nesta ordem.

Esse jogador coloca o chamado “bring-in” na mesa, que também é definido antes das partidas. A partir daí, as apostas seguem no sentido horário, com os demais competidores podendo fugir, pagar ou aumentar no limite mínimo pré-estabelecido.

Encerrada essa rodada de aposta vem o Fourth Street, quando cada jogador recebe mais uma carta aberta. Nesse cenário, o jogador que estiver com a mão exposta mais forte (ou seja, com as cartas mais baixas) é o primeiro a agir na rodada de apostas – que passa a seguir como qualquer jogo Limit.

A Fifth e Sixth Street seguem a lógica da Fourth – ou seja, com cada jogador recebendo mais uma carta aberta e aquele com a mão mais forte começa a agir, seguindo então a dinâmica de apostas no sentido horário.

Por fim, cada jogador recebe a sétima e última carta na chamada Seventh Street. Porém, diferentemente das outras, esta é fechada, de modo que cada jogador tenha 3 cartas fechadas e 4 abertas para montar a mão mais baixa possível com cinco cartas. Depois de mais uma rodada de apostas, vem o showdown para determinar o vencedor.

Vamos supor que três jogadores tenham chegado até o showdown com as seguintes mãos: o jogador X tem A A 8 3 4; o jogador Y tem 3 4 5 6 7; o jogador Z tem A 5 7 9 J. O vencedor, neste caso, seria o jogador Y – não porque fez uma sequência (que é descartada), mas por que não tem nenhuma combinação e sua carta mais alta é um 7, enquanto o competidor Z tem o valete como carta mais alta (lembre-se, o ás é baixo). Em caso de empate, o pote é dividido – não há desempate por naipe.

Caso específico

O Razz pode ser jogado com até 8 jogadores. Em uma ocasião rara em que todos eles cheguem ao Seventh Street, faltariam cartas no baralho para entregar uma a cada competidor. Neste caso específico, a sétima e última carta será comunitária, ou seja, comum a todos.

À primeira vista, o Razz pode dar um nó na cabeça de quem não conhece. Porém, trata-se de uma das vertentes mais divertidas do poker, além de ser um prato cheio para quem gosta de testar sua versatilidade no esporte da mente e adequar sua estratégia para outros tipos de jogos.

Compartilhe.

Comentários estão fechados.