Não é segredo pra ninguém que o poker é um jogo com múltiplas variantes ao redor do mundo, desde os tradicionais texas holdem e omaha poker até os mais peculiares estilos de short deck (ou “baralho capado”, como também é conhecido por aí). Alguns, inclusive, levam nomes pra lá de inusitados. É o caso da modalidade que apresentamos hoje.

Trata-se do Crazy Pineapple, ou “Abacaxi maluco” na tradução literal. Não se sabe ao certo a origem dessa modalidade ou o motivo de seu nome, mas especula-se que tenha surgido na capital mundial do poker, Las Vegas. Existe, inclusive, uma organização oficial focada na promoção do Crazy Pineapple na comunidade internacional do poker.

A dinâmica de jogo é bastante similar ao texas hold’em com traços do omaha, incluindo as rodadas de apostas, mas há uma diferença crucial logo de cara: cada jogador recebe três hole cards ao invés de duas. Porém, essas três cartas não são mantidas até o final. Isso porque cada competidor precisa descartar uma delas antes do turn. A partir daí, o funcionamento passa a ser exatamente o mesmo do Texas até o showdown. O ranking de mãos, aliás, é igual.

Apesar de seu estilo bastante peculiar, essa modalidade vem se tornando cada vez mais popular em cassinos, sites de poker e diversos tipos de competição. Assim como o Texas Hold’em, existem competições No Limit, Pot Limit e Fixed Limit, além de outras variações que também abordaremos.

Estratégias

Embora seja muito similar ao Texas Hold’em, o Crazy Pineapple tem suas táticas e estratégias distintas por conta de um componente extra, que é a terceira carta posteriormente descartada pelos jogadores. De uma forma geral, é possível dizer que é mais válido usar estratégias aplicadas no Omaha, em que o competidor também conta com mais cartas na mão (embora não precise descartar nenhuma).

Por conta do descarte, mãos que aparentam ser muito fortes podem não ser tanto assim. Receber uma trinca de A, por exemplo, pode parecer boa coisa a princípio. Mas levando em conta que é preciso descartar uma, isso torna a possibilidade de você realmente encaixar uma trinca muito pequena, já que haverá um ás a menos no baralho.

O mesmo vale para uma suited hand, ou seja, todas as cartas do mesmo naipe. Com o descarte, a chance de encaixar um flush também diminui. No entanto, de uma forma geral, a ocorrência de flushs é muito maior que no Texas, o que dá uma outra dinâmica às apostas. Caso o flop venha com dois naipes e você já tenha uma mão feita, o mais indicado é apostar alto pra tornar o flush draw mais caro para os rivais.

A carta de descarte nem sempre é uma “inimiga”. Isso porque é uma informação que você tem e os seus rivais não (afinal, não é preciso mostrá-la para os adversários na mesa). Assim, caso algum oponente esteja esperando um K de copas que você descartou, por exemplo, já sabe que é momento de tentar roubar o pote, pois você tem a certeza de que aquela carta não virá pra ele.
De uma forma geral, as melhores mãos iniciais do poker – ou seja, aquelas em que você pode considerar até um all-in logo de cara – são as que deixam múltiplas possibilidades. Assim, um K-K mais uma terceira carta alta de mesmo naipe de um dos reis tem muito mais valor que o K-K-K, por exemplo.

Variações

O Crazy Pinneaple é, na verdade, uma variação do Pineapple Poker, cuja grande diferença é o momento do descarte da terceira carta, que acontece antes da primeira rodada de apostas do pré-flop. Isso muda completamente as estratégias a serem seguidas, já que sequer é possível combinar suas cartas com o flop antes de pensar em qual das hole cards descartar.

Este também é um estilo bastante popular. Para se ter uma ideia, o Pineapple foi uma das vertentes de poker que esteve presente Olimpíada do Esporte da Mente, que aconteceu em agosto (de forma 100% online por conta da pandemia). A título de curiosidade, a medalha de ouro ficou com o inglês Michael Cresswell, o italiano Dario De Toffoli levou a prata e o também inglês James Heppell, o bronze.

Outras variantes são muito similares ao Pineapple, como o Irish Poker, em que cada competidor recebe quatro cartas e precisa descartar duas (embora seja mais parecida com o Omaha), e também o OFC, Open Face Chinese Poker Pineapple, que é semelhante ao estilo clássico do poker chinês, porém em formato mais reduzido.

A diferença básica do Pineapple OFC é que a cada rodada um jogador recebe mais três cartas (no chinês, é uma por vez), das quais deve adicionar duas às suas três mãos (separadas por força) e descartar uma. Ao final da distribuição das cartas, cada jogador tem 13 cartas, separadas em uma primeira mão de 3 (a mais fraca), uma segunda de 5 e a terceira de 5, sendo que esta última deve ser a mais forte de todas.

Esta já é uma modalidade um pouco mais complexa, mas o Crazy Pineapple Poker é de fácil entendimento e vale a pena ser conhecido por todos os jogadores. Afinal, sempre é bom alterar as variantes do jogo para afiar ainda mais o conhecimento e as estratégias.

Compartilhe.

Comentários estão fechados.