O poker é um jogo de diversão e entretenimento e diariamente milhões de pessoas praticam esse esporte da mente de maneira informal. Para muitos competidores recreativos que se destacam nesse nível, eventualmente chega o seguinte questionamento: será que hora de se tornar profissional do poker?

Responder essa pergunta não é simples. Para decidir seguir ou não o caminho profissional do poker, é preciso levar em conta vários fatores fundamentais e solucionar as dúvidas corretas. Tudo isso vai muito além de conquistar bons resultados no nível amador. Portanto, separamos alguns tópicos fulcrais para ponderar nessa decisão.

O que difere um profissional de um recreativo

Antes de tudo, é fundamental ter em mente, de maneira clara, as diferenças entre um jogador profissional e recreativo e isso não é mensurado apenas nos ganhos nas mesas de poker. Por exemplo, um competidor recreativo pode vencer um torneio de grandes proporções, mas isso não necessariamente o torna um profissional.

Um exemplo claro é o de Roberly Felício. No ano passado, o goiano se tornou apenas o quarto brasileiro a vencer um evento do World Series of Poker. Para ganhar, Felício teve que superar mais de mil competidores e nesse caminho ele bateu vários profissionais graúdos. No entanto, o fato de ter vencido um bracelete do World Series of Poker não mudou o seu status de competidor recreativo.

“Sou recreativo. Eu não sou profissional do poker. Meu pensamento no momento é apenas me tornar um jogador melhor. Se isso (o título) acrescentar alguma coisa para mim em forma de renda, seria muito bom, mas não penso em usar minha imagem para isso”, disse Felício em 2018.

Portanto, como é o caso de Felício, os competidores recreativos não dependem exclusivamente da renda do poker e não contam com uma rotina integralmente designada às cartas. O nível de experiência e qualidade entre eles pode variar muito e, em alguns casos, o recreativo vence os profissionais. Porém, a grande classe dos competidores amadores pratica com pouco ou sem dinheiro envolvido.

Já os profissionais geralmente encaram o poker como principal ou grande fonte de renda. Além disso, eles estudam o jogo de maneira profunda, disputam mais de 500 torneios mensais e contam com muita resiliência para suportar as variações do poker. Tudo isso faz com que as suas respectivas rotinas sejam montadas em volta do poker.

Estar preparado para o estilo de vida

Liberdade, flexibilidade e autonomia são algumas das grandes vantagens dos profissionais do ramo, mas nem mesmo a vida do jogador de poker é sempre um mar de rosas. Jogar nesse status requer uma dose elevada de disciplina. Jornadas duradouras de estudos e torneios, assim como a necessidade de às vezes abrir mão de feriado e fim de semana — é preciso estar preparado para encarar os contras dessa rotina.

Outra questão importante é ter a disciplina necessária para evitar o sedentarismo. É fácil cair na zona de conforto de ficar em frente ao computador o dia todo, porém, é essencial manter o físico em dia para maximizar o desempenho nos torneios.

O estilo de vida de um jogador de poker profissional tem mais prós do que contras, no entanto, essas questões na mudança da rotina precisam ser levadas em conta.

Preparação mental

Não é por acaso que o poker é classificado como esporte da mente. Para se tornar um vencedor a longo prazo e um profissional de sucesso, trabalhar o lado mental é extremamente importante.

Características como paciência, disciplina, controle emocional e capacidade de lidar com momentos negativos são muito importantes para o profissional de qualquer variante do poker. Portanto, é fundamental ter a autoconsciência se você tem ou não o domínio suficiente do lado mental do poker.

Se você tem a consciência de que ainda não é disciplinado o suficiente e não tem controle emocional para lidar com as derrotas, então é provável que ainda seja necessário trabalhar na parte técnica para chegar ao nível profissional.

Se adequar ao alto volume de jogo

Ser um profissional do poker implica em respirar o jogo durante a maior parte do tempo. Isso significa que, enquanto não estiver estudando as estratégias e nuances, o ideal é praticar incessantemente.

O volume de jogo de um competidor profissional ultrapassa a casa das centenas de torneios mensais. Tendo em conta que os jogadores mais graúdos participam de cerca de 30 torneios por dia, estar sempre em contato com o jogo é fulcral para melhorar de nível.

Para virar um profissional no poker, é preciso estar disposto a se emergir no mundo desse esporte com muitos torneios e grupos de estudo.

Não pular etapas

Caio Pessagno, um dos melhores jogadores do Brasil no poker online, tem uma frase famosa: “Não queime etapa e não acelere processos”, diz o competidor.
O conselho de Caio faz todo sentido. Um dos maiores erros no poker é pular etapas e forçar a barra para se tornar profissional. Estar preparado para essa fase é consequência de muita prática e estudo, algo que certamente não acontece da noite para o dia.

Sair do status de recreativo para o profissional demanda tempo e adaptação. Viver fazendo o que ama e viajar o mundo jogando poker é um sonho de muitos, porém, para aumentar as chances de sucesso é preciso concluir todas as etapas e não ter pressa para tal.

Compartilhe.

Comentários estão fechados.