O poker é uma modalidade em constante evolução. Se no início do último século o Five-Card Draw era a variante mais praticada, ao longo do tempo essa realidade foi mudando e, nos últimos 50 anos, o Texas Hold’em vem sendo considerado o jogo de cartas mais popular do planeta.

Junto com a ascensão do Texas Hold’em, outras modalidades também ganharam espaço no último meio século. Entre essas variantes que emergiram bastante, o Omaha certamente é uma das principais.

Famosa pelo seu estilo dinâmico e de alto swing dentro de uma mesma rodada, o Omaha é especial por diversos motivos e separamos algumas dicas fundamentais para ter sucesso nessa variante.

A posição é ainda mais importante

Muito relevante na estratégia do jogo de poker, a posição se torna ainda mais importante no Omaha — principalmente pelo fato de que, pelo jogador ter quatro cartas nas mãos, é preciso analisar os adversários com mais atenção.

Sendo assim, um bom jogador de Omaha tende a ser mais cauteloso nas posições iniciais, pois atuar de maneira impulsiva sem boa posição pode expor o competidor de maneira desnecessária. Profissionais mais experientes na modalidade tendem a jogar agressivamente na posição intermediária e final.

Jogadores profissionais geralmente jogam apenas entre 5% a 10% das mãos iniciais quando estão em posição fraca, e esse número sobe para 25% em posição favorável. Essas estatísticas só pincelam um entre vários motivos que mostram como esse fator é bastante relevante no Omaha.

Esteja mais preparado para a variância

Pelo fato de que o jogador conta com quatro cartas nas mãos, o Omaha tem uma probabilidade maior de ótimas combinações do que o Texas Hold’em, por exemplo — consequentemente, a chance de straight flush e full house é consideravelmente maior no Omaha.

Com a equidade bem mais equilibrada, raramente o jogador será um grande favorito em uma rodada no Omaha. A imprevisibilidade é parte do que torna essa modalidade tão especial, mas com isso vem a variância natural.

Portanto, uma dica fundamental para ter sucesso na modalidade é saber se controlar na oscilação e não deixar com que uma sequência negativa ou positiva atrapalhe o seu raciocínio lógico.

Além disso, por conta do swing ser maior do que o normal, é recomendado ter um bankroll largo para que o jogador consiga lidar com essa variação de maneira mais tranquila e sem maiores preocupações.

Saiba que a dinâmica das combinações é bem mais flexível

Um erro frequente dos jogadores que migram do Texas Hold’em para o Omaha (transição natural em muitos casos) é achar que um par de ases vai ser o suficiente para bater os oponentes.

No Omaha, a experiência conta muito. Um bom jogador veterano nessa modalidade sabe ler os oponentes, utilizar as probabilidades e conhece exatamente como a combinação que tem em mãos significa em comparação ao resto da mesa.

Mais do que simplesmente entender o ranking de mãos, é preciso contextualizar isso corretamente. Sendo assim, uma lição valiosa é não superestimar o valor de sua mão no início da rodada.

Ter mais cartas não significa apostar mais do que o normal

Por fim, esta é uma dica extremamente valiosa para o Omaha e muito importante para quem está iniciando na modalidade. O fato de ter o dobro de cartas nas mãos em comparação ao Texas Hold’em não significa que você precisa jogar mais mãos do que o comum.

Na realidade, o Omaha bem jogado faz com que o competidor jogue menos mãos do que no Texas Hold’em. Ser mais seletivo com as cartas nas mãos, utilizar a posição ao seu favor e entender que se trata de um jogo de oscilação fazem com que o competidor tenha naturalmente maiores chances de sucesso do que a média.

Estatisticamente, jogadores iniciantes de Omaha joga entre 35% a 45% das mãos, enquanto os profissionais só entram na rodada em aproximadamente 20% das vezes.

Com essa realidade, utilize a agressividade exagerada de outros jogadores ao seu favor. Ao agir apenas no momento certo em que as probabilidades estarão positivas, vencer a longo prazo se tornará muito mais plausível.

Compartilhe.

Comentários estão fechados.